Home / Viagens / # Ásia 2017 / Ásia 2017 – Dias 36 e 37 – Bagan

Ásia 2017 – Dias 36 e 37 – Bagan

Dois dias de estaleiro, sem fazer literalmente nada, de cama. Depois de uma paragem de digestão ou intoxicação alimentar que me deixou a noite a vomitar (cinco gloriosas sessões), precisamente na madrugada que deveríamos partir para Mandalay, de barco.

Com o acto, foi-se a voz, ressentida com a agressão às cordas vocais. Ah mas não é tudo… eu sou rapaz de recuperar rápido destes incidentes. É verdade que nunca daria para acordar as 4:30 da manhã para iniciar a partida, até porque por essa altura estava a meio das minhas “sessões”. Mas o pior ér que no dia seguinte caiu a gripe em força.

Toca de lhe dar com o meu tratamento de águas. Beber muita, limpar, ajudar o corpo a combater a infecção. Seis litros por dia costuma assegurar uma recuperação muito rápida e aqui em Bagan não foi excepção. Mas mesmo assim foram dois dias.

Aproveitei para ler e mais nada. Acabei um livro, comecei outro. Nem para trabalhar arranjei energia. O pessoal do hotel foi cinco estrelas. Por duas vezes mudaram a data dos bilhetes de barco, renovaram a estadia no mesmo quarto e telefonaram para o hotel em Mandalay a explicar a situação. Recomenda-se o Innwa Hotel.

 

About Ricardo Ribeiro

Comecei a cruzar o mundo já tarde, mas num espaço de tempo relativamente curto senti recuperado o atraso. Foram cerca de cinquenta países e muitas experiências, em apenas nove anos, quase todas narradas no blog Papaléguas. Mas esses escritos são apenas um diário de viagens. Senti que tinha mais a contar, que podia ensinar algo. E decidi iniciar um segundo blog. Se o primeiro pode ser definido como “de viagens”, este é “sobre viagens”.

Veja também...

Ásia 2017 – Dias 71 a 74 – O Regresso

Quatro dias foram necessários para chegar a casa, desde Timor Leste. Os últimos quatro dias desta viagem de 2017 pela Ásia.

Ásia 2017 – Dia 70 – Timor Leste

O último dia em Timor e o último dia a sério desta viagem de mais de dois meses pela Ásia foi preenchido com uma visita a Liquiçá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *