Home / Viagens / Hungria

Hungria

Budapeste. 4 de Maio. Dia 9.

Pronto, reconheço. Nove dias é demais para visitar uma cidade, mesmo que seja enorme em área e riqueza turística. Ou então tem a haver com a intensidade que se aplica no início. A verdade é que estamos arrasados, saturados. Quero ...

Ler mais... »

Budapeste. 3 de Maio. Dia 8.

Mais um dia fraquito, vítima de cansaço acumulado. Já não há a frescura dos primeiros dias. Passei a manhã a descansar. Sai para procurar alguns DVD’s de filmes húngaros, numa missão parcialmente cumprida, uma vez que encontrei dois dos quatro ...

Ler mais... »

Budapeste. 2 de Maio. Dia 7.

Logo pela manhã, brincadeira no labirinto perto do novo Teatro Nacional. A caminho do próximo destino, encontramos quase por acaso as maravilhas do grande mercado. Já conheciamos o edíficio mas desta vez temos oportunidade de entrar e de ficar fascinados ...

Ler mais... »

Budapeste. 1 de Maio. Dia 6.

Arriscaria afirmar que hoje foi o dia mais preenchido desta estadia que já leva quase uma semana. E as operações nem se iniciaram muito cedo. Era dez da manhã e ainda me debatia com umas belas torradas com compota de ...

Ler mais... »

Budapeste. 30 de Abril. Dia 5.

Hoje foi um dia muito especial nesta estadia. Isto, porque não foi passado em Budapeste. Os nossos anfitriões convidaram-nos para os acompanhar numa passeata para bem longe da cidade, numa Segunda-feira que é de ponte, a juntar o Domingo ao ...

Ler mais... »

Budapeste. 29 de Abril. Dia 4.

Ontem estava eu descansadinho no apartamento quando me foram desinquietar para uma volta nocturna. Muito bem, seja. Ouvi falar em fantástica iluminação da cidade, num ambiente cheio de vida, em ruas repletas de gente. E assim era. Confirmo. Foi-se andando ...

Ler mais... »

Budapeste. 28 de Abril. Dia 3.

Antes de mais, uma nota retrospectiva, um cheirinho do passado recente. Ontem à noite, saimos às ruas. Sexta-feira, um cheiro especial no ar, de gente que se movimenta com a descontracção que só uma véspera de fim-de-semana permite. Da varanda, ...

Ler mais... »

Budapeste. 27 de Abril. Dia 2.

  Hoje foi dia de dormir sem limites, o que resultou num despertar pelas nove horas. Levantar de imediato, dois yogurtes pela goela abaixo à laia de pequeno-almoço, e estamos na rua. Primeira missão: comprar bilhetes de uma semana para ...

Ler mais... »

Budapeste. 26 de Abril. Dia 1.

Um despertador que toca pouco depois das quatro da manhã terá sempre que ser considerado um instrumento de tortura. Era assim quando me batiam à porta, mais ou menos por essa hora, estando eu de oficial de serviço ao quarto ...

Ler mais... »

Budapeste. 24 de Abril. Preliminares.

Faltam dois dias,  o entusiasmo escasseia. Esta coisa de viagens é como tudo o resto. Cria-se o hábito, vem a rotina, logo, um certo desinteresse de coisa adquirida. Já lá vão os tempos em que uma aproximação destas significava noites ...

Ler mais... »