Home / Locais Especiais / Locais: Počitelj

Locais: Počitelj

Hoje vou falar-vos de uma aldeia especial: Počitelj. Fica na Herzegovina, relativamente perto de Mostar e é muito justamente considerada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO. Não é fácil lá chegar sem um carro. Sim, existem autocarros mas recolher informação actualizada sobre os seus horários pode transformar-se num pequeno pesadelo e isso é apenas a primeira parte: convencê-los a parar, à volta, é outro desafio.

Mas falemos de Počitelj. A primeira referência histórica à sua existência surge em 1444, num documento do rei Afonso V de Aragão, onde Počitelj é descrita como uma cidade fortificada controlada pelo conde Stjepan Vukčič Kosača. Tratava-se da fase preliminar da ocupação de Počitelj, cristã. Manteve-se ocupada por uma guarnição húngara às ordens do rei Matthias Corvinus entre 1463 e 1471, quando foi sitiada e conquistada pelos Otomanos, que a mantiveram até 1878, data em que o Império Austro-Húngaro anexou a Bósnia e Herzegovina.

 

Com a integração no Império Otomano que continuou a expandir-se, Počitelj perdeu importância estratégica. Talvez tenha sido isso que transformou a aldeia no que é hoje: uma espécie de cristal do tempo, intocada, que parece existir como o era há centenas de anos atrás.

Ergue-se por uma encosta à beira do rio Nevetva cujo curso controla, com a sua imponente torre de menagem, bem alta, de onde se observa toda a localidade. Os danos causados pela guerra civil que aqui se travou em meados dos anos 90 não são imediatamente perceptíveis mas existem. Físicos e sociais, porque os combates esvaziaram Počitelj da sua população que tarda em regressar. Existem alguns traços de recuperação, demográfica e patrimonial. A segunda, infelizmente, de algum mau gosto, retirando o sabor natural da aldeia, tendendo a transformá-la num local-museu, com plataformas artificiais e traços de restauro evidente. Pelo menos algumas das casitas da aldeia foram recuperadas e veem-se floreiras, roupas a secar no estendal e outros sinais de vida que são muito bem vindos.

Um dos encantos de Počitelj é o seu sabor muçulmano, conferido pelos antigos banhos que se encontram junto à estrada e pelos minaretes das suas mesquitas. É sempre curioso encontrar o Islão na Europa. Mas o melhor mesmo é explorar as vielas, afastando-nos da rota principal, que conduz à torre de menagem e que quando chegam grupos de turistas – que aqui vêm, sim senhora – é invadido de visitantes. Felizmente poucos são os que se afastam, deixando os caminhos secundários desertos, ao nosso dispôr.

Em Počitelj podem-se passar horas. Apesar do seu tamanho fazer esgotar a visita num espaço de tempo relativamente curto, pode-se com gosto simplesmente deixar os minutos passar, sentindo o cheiro do passado, imaginando outras vidas que ali se desenrolaram, observando as águas tranquilas do Nevetva que correm no leito, em direcção a Mostar, onde passarão sob a famosa ponte de um arco que ali se encontra.

Além de tudo isto, Počitelj fica na rota da viagem Por Terras do Montenegro e da Bósnia e Herzegovina, que o Cruzamundos lidera para a agência de viagens de aventura The Wanderlust. A aldeia é visitada ao sexto dia da aventura, assim como Blagaj e as quedas de água de Kravice.

 

 

 

About Ricardo Ribeiro

Comecei a cruzar o mundo já tarde, mas num espaço de tempo relativamente curto senti recuperado o atraso. Foram cerca de cinquenta países e muitas experiências, em apenas nove anos, quase todas narradas no blog Papaléguas. Mas esses escritos são apenas um diário de viagens. Senti que tinha mais a contar, que podia ensinar algo. E decidi iniciar um segundo blog. Se o primeiro pode ser definido como “de viagens”, este é “sobre viagens”.

Veja também...

Locais: Tetebatu

Uma aldeia na Indonésia. Um par de dias entre anfitriões que sabem o que é hospitalidade, arrozais, florestas de macacos, quedas de água. Uma visita ao paraíso em Tetebatu.

Locais: Praia Jalé

A praia Jalé, localizada em São Tomé, é um pedaço de paraíso na Terra. O seu areal dourado é delineado pelos coqueiros que marcado o início da selva, e o silêncio é total. Trata-se de um instantâneo do que existe no imaginário de todos nós: a praia perfeita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *