Home / Noticias das Viagens / Viajantes Lusos: África e Volta

Viajantes Lusos: África e Volta

Chama-se Rui Nuno e parte hoje para a aventura de uma vida. Propõe-se atingir o ponto mais meridional de África e regressar. De Aljezur ao Cabo Agulhas. Um ano, 30 países, 50.000 quilómetros.

Primeiro pensou em fazê-lo num daqueles clássicos Land Rovers. Afinal o imaginário de gerações associa estes robustos carros a África. Depois decidiu de outro modo: queria uma mota, queria fazê-lo sobre duas rodas. De forma a sentir os cheiros, o vento, os elementos. Acabou por encontrar uma Yamaha XT600E, opção que surpreenderá muitos: não é um veículo especialmente robusto ou desenhado para estas andanças. Mas Rui Nuno prefere assim. Uma mecânica simples, mais acessível, fácil de dominar, com menos dependência de sobressalentes muitas vezes impossíveis de obter.

africaevoltaComo se ajeita bem com mecânica – algo que será indispensável numa odisseia talhada nestes moldes – Rui Nuno procedeu a algumas alterações na sua máquina. Instalou um depósito de combustível mais espaçoso, ampliando a autonomia para 460 km. Depois, adicionou um filtro para se precaver contra a pouca qualidade da gasolina que lhe há-de ser fornecida aqui e acolá. O guiador foi também mudado, levando um ligeiramente mais elevado. E há os pequenos toques. Entre outros: guarda-lama alargado, banco mais amplo, malas.

africaevolta2A aventura inicia-se hoje, mas devia ter principiado em Janeiro. Vai já com dois meses de atraso. A ideia era evitar a primeira época das chuvas, mas já não deverá dar. Contratempos. Papelada, materiais que faltam. Mas será agora. Se tudo correr normalmente vai sair de defronte da Câmara Municipal de Aljezur às 11:00 (a hora exacta a que será publicado este artigo). Um local tantas vezes cruzado, mas que agora terá outro significado. Quando a mota começar a rolar será a sério. Até à África do Sul.

O blog de Rui Nuno chama-se África e Volta. Por lá serão inscritas as experiências e atribulações desta viagem. E palpita-me que serão muitas. Se tem curiosidade em conhecer ao detalhe o equipamento que o aventureiro levará consigo, é também ali que poderá fazê-lo. Uma aventura a seguir. Boa sorte Rui Nuno!

About Ricardo Ribeiro

Comecei a cruzar o mundo já tarde, mas num espaço de tempo relativamente curto senti recuperado o atraso. Foram cerca de cinquenta países e muitas experiências, em apenas nove anos, quase todas narradas no blog Papaléguas. Mas esses escritos são apenas um diário de viagens. Senti que tinha mais a contar, que podia ensinar algo. E decidi iniciar um segundo blog. Se o primeiro pode ser definido como “de viagens”, este é “sobre viagens”.

Veja também...

Novas Politicas de Bagagem da Wizzair

As novas condições de bagagem da Wizzair, a entrar em vigor a 29 de Outubro de 2017.

Ryanair sob Investigação: Atribuição de Lugares no Avião

Alegações recentes sob o funcionamento de atribuição de lugares pelo sistema da Ryanair levaram a BBC a iniciar uma investigação sobre este problema.

2 comentários

  1. Se te interessar, este é um tópico num fórum em que um americano se aventurou por África com uma mota e uma prancha de surf. Objectivo: dar a volta a África ao longo da costa e ir apanhando ondas. Toda a costa Oeste é surfável. No lado oposto só há alguns sítios. Nesta fase ele despachou a prancha e teve companhia de um amigo, depois da namorada que lhe fez uma surpresa. O amigo esteve uns dias com ele, comprou uma mota na África do Sul e fez uns dias de viagem com ele. A namorada encontrou-se com eles durante esta parte e está com ele até agora. Neste momento devem estar algures por Israel ou a de barco entre Israel e Grécia ou Turquia. Depois de entrar na Turquia, irá continuar a viagem até Inglaterra, que foi onde ele começou, depois de mandar a mota dos EUA para lá.

    http://advrider.com/forums/showthread.php?t=922561

  2. Estou mais focado em aventuras lusitanas, não porque as outras não tenham valor, mas há já tanta aventura a ser vivida e tanta informação sobre elas que um gajo para não em maluco com excesso de informação tem que limitar o foco. Tenho é aqui uns livros para ler sobre voltas a Africa a solo, e esses já são de autores estrangeiros.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *