Home / Viagens / # Ásia 2017 / Ásia 2017 – Dia 26 – Trincomalee e Colombo

Ásia 2017 – Dia 26 – Trincomalee e Colombo

Sem a desejada cama no comboio nocturno, teríamos mesmo que seguir para Colombo de autocarro. Na realidade, seriam apenas seis horas, menos do que pensava e nada que não tivéssemos já feito no decorrer desta viagem. Foi portanto uma preocupação que se dissipou, apenas perdida a vantagem de poupar umas horas que poderiam ser aplicadas de outra forma.

Mas afinal, viagens de autocarro têm-se revelado excelentes investimentos, proporcionando retornos interessantes em vivências e vistas.

Acordei muito cedo, literalmente com o sol. Este acabava de se levantar, no mar, e já no areal pescadores puxavam redes. Passei as duas horas seguintes a observar e a fotografar a faina, à medida que o dia se instalava e a temperatura subia.

 

Aproveitámos o Dyke’s Rest até ao fim, até às 11 horas, hora de checkout. E depois, adeus Trinco, obrigado por tudo, pelos grandes momentos, pelas surpresas, pela felicidade. Uma paragem no padeiro para comprar os bolos e iniciar a caminhada até à estação de autocarros em busca de uma partida para Colombo.

Mas até na hora da despedida Trinco foi generosa, apresentando-nos um autocarro com um letreiro “Colombo”, parado à beira da estrada, mesmo à nossa frente. Não foi afinal precisa a marcha até à estação de autocarros. Fomos subindo, enquanto o condutor e os “engenheiros” de bordo acabavam de fixar o retrovisor exterior que com certeza ameaçava desprender-se.

Uma longa viagem, com momentos interessantes, sempre com muito calor, feita no pico do sol. Finalmente em Colombo. Final de tarde, temperatura agradável. Decidimos ir andando, a ver como corriam as coisas. Eram uns 3 km até ao hostel reservado, e o plano era apanhar um tuk-tuk, mas depois da viagem no autocarro até que sabia bem esticar as pernas, e estávamos a gostar tanto de Colombo como no dia em que aqui chegámos.

Fomos vendo algumas referências marcadas no trabalho de casa. O farol, as casas dos tempos coloniais. Vimos uma patrulha da polícia montada que orientava o trânsito. Passámos junto ao centro governamental e aos edifícios mais imponentes da capital, chegando ao mar.

Mas o que me encheu as medidas foi o Galle Face Green, um troço junto à água onde se montam barraquinhas de comes e bebes e onde o ambiente ao fim da tarde é extraordinário. Não tenho dúvidas: é o melhor de Colombo, e só é pena que aconteça num período de tempo tão reduzido. Gostava de ter parado o relógio naquele momento, pelo menos por algum tempo, para poder fotografar e sentir aquilo. Mas o sol já ia baixo, o poente aproximava-se e ainda faltava um bom bocado para chegar ao destino. Que pena, que pena!

 

 

Mais à frente, outro momento marcante. Uma estação de comboios. A multidão que regressa a casa acumula-se na plataforma. Vão chegando mais pessoas, vêm de todo o lado, a pé, de autocarro. O comboio aproxima-se, já vem cheio. A luz é mágica, tudo alaranjado. Os passageiros agarram-se como podem à composição, que segue viagem com homens pendurados por todo o lado.

Naquela área há supermercados e restaurantes que prometeriam se ficássemos mais tempo pela cidade. Esta deve ser mesmo a melhor hora de Colombo, por volta do pôr-do-sol. Acho que é quando as pessoas estão mais activas, preenchendo o tempo entre o trabalho e o regresso a casa da melhor forma, porque de resto é quando o clima é mais amigo. Durante o dia o calor é terrível, mas aquela hora está-se mesmo bem.

Chegamos ao hostel, que é um senhor hostel, diria, um hostel de luxo, que já vi alguns assim. Todas as condições que o viajante pode desejar… o edifício é como que uma vivenda de luxo convertida em hostel. Boas instalações. De início era o dormitório todo por nossa conta mas outros viajantes foram chegando, aos poucos, e acabou por ser casa cheia. Cheia de boa gente, respeitadora, com quem deu para ter algumas conversas. Em poucas horas já havia um certo sentido de equipa.

Save

About Ricardo Ribeiro

Comecei a cruzar o mundo já tarde, mas num espaço de tempo relativamente curto senti recuperado o atraso. Foram cerca de cinquenta países e muitas experiências, em apenas nove anos, quase todas narradas no blog Papaléguas. Mas esses escritos são apenas um diário de viagens. Senti que tinha mais a contar, que podia ensinar algo. E decidi iniciar um segundo blog. Se o primeiro pode ser definido como “de viagens”, este é “sobre viagens”.

Veja também...

Ásia 2017 – Dias 71 a 74 – O Regresso

Quatro dias foram necessários para chegar a casa, desde Timor Leste. Os últimos quatro dias desta viagem de 2017 pela Ásia.

Ásia 2017 – Dia 70 – Timor Leste

O último dia em Timor e o último dia a sério desta viagem de mais de dois meses pela Ásia foi preenchido com uma visita a Liquiçá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *